press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/15

OWONRIN MEJI - 2016

V Mostra de Arte_ Jardim Suspenso

Rio de Janeiro

   

Parte da pergunta O que é ser mulher negra? Surge daí a necessidade de conhecer a cultura, os cultos e a espiritualidade dessa mulher negra, desvinculando-a do plano colonizador que visa o polimento da individualidade. Sigo em busca do entendimento, estudando os rituais de matriz africana, não somente pela procura mas pelo inicio do envolvimento com a minha ancestralidade.

Um culto no terreiro supera o entendimento físico e racional, foi numa gira de Exús onde as conversas com as entidades trouxeram a permissão e a serenidade para continuar a proposta de performance. Naquela noite com o olhar atento e respeitoso me apropriei de signos ritualísticos para compor a obra.

A performance vista na _V Mostra Jardim Suspenso intitulada _Owonrin Meji apresentou uma instalação em um espaço visual e sonoro a importância da experiência ritualística dentro da diáspora africana. Geograficamente localizada no fundão do Morro da Babilônia o ponto escolhido foi o poço de uma nascente (morada de Oxumarê) em uma grande pedra dentro de uma atmosfera idílica e pitoresca. Onde um cenário orgânico foi pensando e criado para receber todos elementos simbólicos.

O Eu (ego) decidido em manipular o desconhecido campo energético da força que rege as entidade e a natureza, foi totalmente atraído e manipulado por ela. A força também foi atraída, agindo por seus interesses, colocando sinais claros e interagindo em situações durante todo o processo dentro do Morro da Babilônia. Um novo lugar nasce dessa atração, lugar esse que não é a umbanda, não é o candomblé e não é a arte, é um ponto de atravessamento onde os símbolos convivem com um pensamento estético visual que monta uma egrégora vibracional criada a partir da soma de energias coletivas.

Composta por 6 mulheres  o corpo criado para a performance projetou para o espectador uma religiosidade bela com simbólicas ações. Uma narrativa que abre um circulo de poder no qual o ritmo do atabaque conduz o desenho performático onde a troca afetuosa entre a irmandade composta por essas mulheres foi condensada por um brotar energético e que deixou o resquício de um lugar imprevisto e distinto que se dá pela conexão com o astral.

__________________________________________________________________________

Morro da Babilônia _ RJ
Casa França - Brasil _ RJ